sábado, 2 de abril de 2011

Mexa-se! Vale a pena

Embora torçam o nariz, os médicos já admitem que a prática de atividade física, mesmo restrita ao fim de semana, é muito melhor do que o "dolce far niente"

POR SUCENA SHKRADA RESK


FOTO: MASTERFILEVocê se inscreveu na academia e prometeu que, desta vez, ia seguir a programação do professor de Educação Física. Só que, como já aconteceu, a falta de tempo e os compromissos diários acabaram com seu ânimo. Tudo bem. Viva Saúde tem uma boa notícia: praticar esportes nas horas de folga do sabadão ou domingo, pode ser a solução para quem busca qualidade de vida.
Os médicos realmente não concordam com a prática de esportes concentrada em apenas um dia. Mas se essa é a única opção que você tem, eles até recomendam — mas, obviamente, com restrições. “Entre ficar parado e praticar exercícios físicos apenas nos dias de lazer, a orientação é se exercitar. O cuidado, então, será praticá-los de forma moderada e com conhecimento técnico básico”, alerta o cardiologista Carlos Hossri, responsável pelo Programa de Reabilitação Cardiopulmonar do Hospital do Coração (HCor), de São Paulo.
Considerado um grave problema de saúde, o sedentarismo afeta 80% da população mundial. Dados do Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (Celafiscs) mostram que o exercício moderado diminui o risco de morte em 28% nos homens e 35%, nas mulheres. Segundo o médico, o problema é passar dos limites, empregando um esforço exagerado. Aí as chances de surgirem problemas de saúde, como lesões mais graves, crises de hipertensão, desidratação e até o popular malsúbito são bem maiores — como comprovado em uma pesquisa divulgada no Jornal Americano de Epidemiologia.
CAMINHADA E BICICLETA
• Para quem começa, o mais indicado é a caminhada e sempre até as 10 horas ou após as 16 horas.
• Use o calçado indicado e roupas confortáveis.
• Faça sempre alongamento durante dez minutos, antes e depois. Inicie com uma corrida leve e progressiva até aquecer a musculatura e sentir a estabilização do ritmo cardíaco.
• No caso de corridas, se você nunca correu, comece com uma caminhada.
• Respeitadas essas dicas, a bicicleta pode ser uma companheira excelente nas horas de lazer — mas não se esqueça dos apetrechos de segurança (capacete, por exemplo).
O risco do atleta de fim de semana é que a falta de prática faz com que ele não tome cuidados básicos essenciais. Muitas vezes, parte para as atividades sem co,nsultar seu médico, fazer exames clínicos e até alongamento. “Na ânsia de recuperar o tempo perdido, fazem exercícios de impacto, podendo ser vítimas de problemas cardiovasculares”, afirma Luís Carlos de Oliveira, professor de Educação Física e instrutor de pesquisa do Celafiscs. Para piorar, não é raro que exageros na alimentação acompanhem o treino, os exercícios e as jogadas desses ex-sedentários. Sabe o futebol regado a cerveja e churrasco do fim de semana? Nem pensar. Frituras e doces, que aumentam o colesterol e desequilibram a taxa de glicose no sangue, também devem ser abolidos. Para não errar e comprometer a saúde, a palavra de ordem é moderação.
BASQUETE E FUTEBOL
• Capriche no aquecimento e no alongamento, que pode durar até dez minutos.
• Depois, exercite os fundamentos do esporte. No caso do futebol, por exemplo, chutes; no basquete, arremessos; na corrida, o ritmo dos passos etc. Aí comece, de fato.
• Controle sempre a freqüência cardíaca. O cálculo é fácil de fazer: subtraia sua idade do número 220. O número obtido é a freqüência cardíaca recomendada para sua faixa etária, mas o ideal é que os batimentos sejam 60% desse resultado — em qualquer prática esportiva.
O cardiologista Carlos Hossri explica que, antes de se optar por qualquer esporte, a pessoa deve consultar um médico. Especialmente se for sedentária. No caso dos homens, a atividade física só é liberada desde que tenham idade inferior a 35 anos. Para as mulheres, 45 anos. Mas a recomendação só vale caso não tenham problemas cardía cos na família nem apresentem hipertensão, colesterol elevado, não sejam obesos e nem fumem. Uma dica valiosa para saber a quantas anda a sua saúde é olhar para a barriga. É isso mesmo. Sua barriga diz muito a respeito dos seus hábitos de vida. Mas tem que olhar e medir. “O alerta de perigo está em mulheres que tenham mais de 80 cm de circunferência nessa região e em homens, acima de 94 cm”, explica o médico. Nesses casos, os cuidados devem ser redobrados para a liberação de uma atividade esportiva. Sobretudo porque, com o exercício, as células cardíacas ficam mais excitadas e provocam maior descarga de adrenalina — o que aumenta a freqüência cardíaca e seu descompasso. “Há o risco de tromboses e infartes”, afirma Carlos Hossri, do HCor.
Estudos da Clínica Cooper, nos Estados Unidos, reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mostram que a prática regular de atividade física de fato traz inúmeros benefícios para a saúde. O ideal é se exercitar por, no mínimo, 30 minutos seguidos ou acumulados, cinco vezes por semana. No caso de crianças e adolescentes até 18 anos, o período recomendado é de 1 hora diariamente, segundo a Sociedade Americana de Pediatria. Se a dúvida é qual modalidade praticar, a caminhada é a mais indicada. Não tem contra-indicações e ainda auxilia na prevenção de doenças cardiovasculares, no controle da ansiedade e do peso.
NATAÇÃO
• Como nos demais esportes, nunca esqueça do alongamento e aquecimento prévios para evitar lesões.
• Não tente nadar sem saber. Aprenda primeiro, pratique depois. E isso vale para todos os esportes.
• Respeite os limites do seu corpo, pois ele mostra cansaço.
• Não nade em jejum. Faça uma refeição leve uma hora antes do exercício e evite bebida alcoólica.
• Na natação, não esqueça de usar protetor solar, óculos apropriados e tampão de ouvido. Ao menor sinal de cansaço muscular, saia da água para evitar cãibras.
EXAMES QUE NÃO DEVEM FALTAR
Antes de iniciar uma atividade física, você precisa consultar um médico que, provavelmente, vai pedir uma bateria de exames. Entre os mais comuns, estão: ecocardiograma, que verifica o funcionamento das válvulas e do músculo cardíaco; laboratoriais, como de sangue (para análise dos níveis de colesterol, triglicéride, diabetes, anemia e até infecções), além do teste ergométrico, que avalia o ritmo cardíaco e a pressão arterial diante do esforço. Dependendo dos resultados, o médico vai aconselhar o exercício mais indicado para o seu caso e seu estilo de vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário