quinta-feira, 26 de maio de 2011

10 passos para ser feliz - Autoajuda - Bem-estar - MdeMulher - Editora Abril

10 passos para ser feliz - Autoajuda - Bem-estar - MdeMulher - Editora Abril

Com que Roupa Eu Vou? « CicloFemini – Mulheres que Pedalam

Com que Roupa Eu Vou? « CicloFemini – Mulheres que Pedalam

Etiqueta na academia: como ter bons modos na hora de malhar - Atividade física - Dieta - MdeMulher - Editora Abril

Etiqueta na academia: como ter bons modos na hora de malhar - Atividade física - Dieta - MdeMulher - Editora Abril

A importância de sinalizar as Ciclo-rotas | Vá de Bike!

A importância de sinalizar as Ciclo-rotas | Vá de Bike!

Eu Vou de Bike – Bicicletas, Lazer e Transporte Urbano » Cadastro de bicicletas roubadas

Eu Vou de Bike – Bicicletas, Lazer e Transporte Urbano » Cadastro de bicicletas roubadas

Eu Vou de Bike – Bicicletas, Lazer e Transporte Urbano » Projetor faz ciclofaixa personalizada

Eu Vou de Bike – Bicicletas, Lazer e Transporte Urbano » Projetor faz ciclofaixa personalizada

Constrangendo para educar | Vá de Bike!

Constrangendo para educar | Vá de Bike!

Portugal terá ciclo-rotas por todo o país | Vá de Bike!

Portugal terá ciclo-rotas por todo o país | Vá de Bike!

CURITIBA CYCLE CHIC: Victoria Pendleton - Cycle Chic

CURITIBA CYCLE CHIC: Victoria Pendleton - Cycle Chic

Ecobags e outras alternativas a sacolas plásticas - Meio ambiente - Casa - MdeMulher - Editora Abril

Ecobags e outras alternativas a sacolas plásticas - Meio ambiente - Casa - MdeMulher - Editora Abril

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Dicas de Saúde - Gerais

Dicas de Saúde - Gerais

CURITIBA CYCLE CHIC: Fashion - Bike - Street Art

CURITIBA CYCLE CHIC: Fashion - Bike - Street Art

15 lições para emagrecer com saúde - Melhores dietas - Dieta - MdeMulher - Editora Abril

15 lições para emagrecer com saúde - Melhores dietas - Dieta - MdeMulher - Editora Abril

Eu Vou de Bike – Bicicletas, Lazer e Transporte Urbano » Por um mundo amigo da bicicleta

Eu Vou de Bike – Bicicletas, Lazer e Transporte Urbano » Por um mundo amigo da bicicleta

BIKE FIT: Posição ideal para uma boa pedalada « CicloFemini – Mulheres que Pedalam

BIKE FIT: Posição ideal para uma boa pedalada « CicloFemini – Mulheres que Pedalam

domingo, 8 de maio de 2011

Pedalar não dói. Evite sofrimento desnecessário by Claudia Franco

Muitas ciclistas me perguntam o porquê andar de bicicleta dói tanto. Dizem que sentem dor nas costas, na bunda, nos braços, os pés e/ou mãos adormecem.
Uma pessoa comentou que um amigo dela havia dito que era assim mesmo, que andar de bicicleta exigia sacrifício.
 Tudo isto pode ser verdade se você desconhecer alguns princípios básicos. São eles:
1-      A bike tem que se ajustar a você não você a bike. As bicicletas têm tamanho e peso diferentes. Procure uma que seja adequada a sua altura. Todo fabricante tem uma tabela com o tamanho do quadro da bicicleta relacionado à altura da pessoa.
2-      Posicionamento do guidão, banco, alavancas de freio e marcha, altura do canote, etc. Todo este conjunto deve estar ajustado corretamente ao seu corpo, do contrário vai exercer força em locais específicos e a causa será dor na bunda, costas, braços, cotovelos, formigamentos, entre outros sintomas. Por isto é importante ajustar a bike ao seu corpo, faça um bike fit em um lugar de boa referencia. Todas as dores deixam de existir quando você fizer o ajuste da bicicleta ao seu corpo. Veja o artigo a respeito de Bike Fit aqui.
3-      Apesar das pessoas dizerem que você vai se acostumar, você não precisa entrar no pedal com sofrimento, é desnecessário e isto pode comprometer passeios legais e a sua freqüência no esporte.
4-      Quanto mais conforto você tiver mais a sua pedalada vai desenvolver e mais benefícios terá com o exercício.
5-      O seu corpo não pode padecer. Alguns “bikers” acham que sofrer na bike é coisa de “macho”. Esqueça isto! Muitos deles não sabem que podem fazer um pedal extremamente confortável e com excelente desempenho.
6-      A queixa mais freqüente é a dor na bunda. Esta dor deixa de existir quando a bike estiver ajustada e quando você tiver mais experiência, pois irá distribuir melhor o seu peso sobre a bicicleta. Há 3 pontos de apoio: o selim, o guidão e o pedal. Quando você souber distribuir melhor o seu peso sobre estes pontos a sua bunda não vai doer.
7-      Desloque o seu peso para frente ou para trás. Levante, deixando as pernas esticadas. Sinta o peso do seu tronco nas mãos. Perceba como as mudanças de posição sobre a bicicleta irão alterar a pressão sobre o selim.
8-      Não coloque roupa íntima por debaixo da bermuda. A roupa íntima não tem tecido específico para este finalidade e tem costuras, vai causar mais atrito e o desconforto será inevitável. Procure por bermudas de marcas renomadas, com forro de 40 a 60 milímetros,  com espessuras modulares, ou seja, uma espessura para frente, outra para o meio e outra para a parte de trás do forro. Não recomendo as bermudas de gel (gosto pessoal), pois causam maior movimento e conseqüentemente maior fricção.
9-      Existem cremes específicos que evitam assaduras. Há um específico para o ciclismo e é vendido nas lojas de bicicletas. É excelente para quem vai percorrer grandes quilometragens.
10-   Quanto maior o selim, maior será a área de atrito, portanto é enganoso o uso do selim grande e muito estofado. O ideal é o mais fino possível, com abertura no meio para melhor ventilação e uma camada de estofado de aproximadamente 5 a 7 cm.
11-   Preste atenção a qualidade da suspensão de sua bicicleta. A suspensão é responsável por reduzir os impactos sobre o corpo e conseqüentemente a sua coluna. Dependendo do tipo de terreno e/ou pedal  use a suspensão com curso mais longo, o conforto será muito maior.
12-   Sou a favor da suspensão traseira, absorve muito os impactos que sobrecarregam a coluna e ajuda a eliminar a dor na bunda.
13-   Com tudo ajustado e sem sofrimento o seu desempenho pode aumentar em 30% a 40%. Pode confiar!

Transpirar é saudável




O suor parece um inconveniente, mas é um processo bastante importante para o corpo humano. Só é preciso atenção quando há excesso.

Libere o suor

Não tem como negar o incômodo, seja pela mancha debaixo dos braços, as regiões do peito e das costas molhadas, testa pingando... O suor, ou transpiração, visto apenas por esse ângulo, é mesmo uma chateação. Mas, por trás dele, existe uma outra questão, essa positiva e relacionada à saúde.
“A transpiração é uma reação que o nosso organismo utiliza para baixar a temperatura do corpo. Isso só deve ocorrer durante dias quentes ou ao realizarmos exercícios físicos, quando o corpo inteiro (em algumas regiões mais do que em outras) umedece levemente”, explica o médico torácico Antonio Malucelli, membro fundador da Associação Sul-americana de Cirurgia Torácica (ASCT).

Mas do que é feito?

A transpiração é o que ocorre quando as chamadas glândulas sudoríparas do corpo soltam uma substância salgada. “Através do suor, não eliminamos nenhuma toxina. Quando suamos, perdemos líquidos e sais minerais, e esses devem ser repostos pela ingestão de água mineral”, orienta o especialista.
O problema é quando essas glândulas trabalham de maneira desregulada, em um ritmo maior do que o normal. É a situação conhecida como hiperidrose, onde existe excesso de transpiração nas regiões da cabeça, axilas, virilha, nádegas, mãos e pés. É uma condição que pode, inclusive, precisar de cirurgia para ser resolvida.

É só sair um solzinho...

Ficar debaixo daquele sol, fazer exercícios físicos que exijam mais esforço e comer alimentos com temperos fortes são alguns dos elementos causadores do suor. Mas não são os únicos: bebidas alcoólicas, café e certos tipos de medicamentos, além de algumas doenças, também podem ser os responsáveis.
Difícil mesmo, porém, é quando vem aquele cheiro desagradável. E a culpa não é da transpiração. “O odor (bromidrose) que pode ocorrer não é conseqüência do suor, mas, sim, da produção de bactérias, que crescem no local com maior facilidade devido à umidade”, esclarece Malucelli.

Fatores que merecem atenção

Que o suor é necessário para o corpo, não há dúvidas. E, para que seus inconvenientes não se tornem tão grandes, algumas medidas podem ajudar. Após a transpiração, é importante lavar o rosto (e tomar banho, se possível), trocar roupas e lençóis e ingerir bastante água para repor os líquidos que foram eliminados, além de procurar ambientes com temperaturas mais amenas.
Mas, em casos de excesso de suor sem motivo aparente; transpiração acompanhada de dor ou pressão no peito; diminuição de peso ou ocorrência frequente durante a noite, a recomendação é visitar um médico.